0

O Brasil e o vírus do Ebola.

FacebookTwitterGoogle+

“…O Brasil teria um papel nesse contexto por estar no mesmo hemisferio da Africa e ter um grande acumulo de conhecimentos em doenças tropicais. A Africa precisa de todo o apoio externo possivel até para auto defesa dos demais continentes, o Brasil é hoje um dos alvos preferenciais de uma nova imigração africana e pode tambem ser vitima dessas epidemias de virus novos”.

O médico Albert Schweitzer e a raiz do Ebola

Por Motta Araujo
O médico alemão Albert Schweitzer, um dos grandes benfeitores da humanidade no Seculo XX, Premio Nobel da Paz de 1952, conhecia como poucos as terriveis condições de saude publica da Africa. Schwitzer, de uma importante familia da Alsacia Lorena, largou uma posição confortavel e segura na Europa para se dedicar inteiramente aos leprosos e doentes das areas mais pobres do continente africano, morreu no Gabão onde foi enterrado. Schwietzer escreveu muitos livros onde como premonição dizia que a humanidade nasceu na Africa e no mesmo continente poderia acabar se as condições sanitarias não fossem melhoradas,  o continente poderia ser uma usina de epidemias que se espalhariam pelo mundo de forma terrivel.
O ebola, assim como o virus causador da AIDS, resulta das condições socio culturais e de sanidade do continente africano. O trajeto do virus vem de animais, no caso do HIV vem do macaco, do ebola vem do morcego, em contato erratico com o ser humano mas a propagação do virus vem de habitos culturais, da ausencia de hospitais e programas de controle de epidemias, da falta de infra estrutura de saude publica, de estruturas de mapeamento de doenças.
Ao invés de correr a hospitais, que são poucos emal equipados, a familia de provaveis contaminados esconde o doente porque não confiam nos hospitais e acreditam que lá morrerão.
No caso de morte, a cultura africana considera a cerimonia funeraria como extremamente importante, mais que o nascimento ou o casamento, o defunto fica em casa por dias ou uma semana, no centro da casa, enquanto os parentes comem e bebem em sua homenagem. Parentes vem do interior, a familia incorre em grandes dividas para o funeral, tal a importancia desse evento para a cultura africana. Tudo isso ajuda a propagação de virus, o proprio morto pode ser uma fonte dessa contaminação.
As guerras civis em alguns paises africanos, a corrupção, a falta de medicamentos e de medicos, tudo isso joga a favor do virus e de sua propagação.
Como sempre conta-se com o apoio e o potencial de pesquisas dos EUA para criar com rapidez a vacina para essa terrivel doença. O CDC de Atlanta é o centro mundial que controla a propagação do virus e esse controle é a base da pesquisa que já prevê a vacina contra o ebola a curto prazo.
Mas o problema das condições sanitaria da Africa persiste. Controlado o ebola surgirão outros virus na Africa, as condições de saude são hoje muito piores do que eram na época colonial, quando pelo menos existiam medicos e hospitais europeus na area e uma cultura de prevenção de epidemias que hoje não existe.
O Brasil teria um papel nesse contexto por estar no mesmo hemisferio da Africa e ter um grande acumulo de conhecimentos em doenças tropicais. A Africa precisa de todo o apoio externo possivel até para auto defesa dos demais continentes, o Brasil é hoje um dos alvos preferenciais de uma nova imigração africana e pode tambem ser vitima dessas epidemias de virus novos.

Luiz David

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *